3 de agosto de 2015

#

O céu chorou por nós



Certa vez, assistindo a um filme que amo muito, ouvi a frase "Quando você saiu da chuva e entrou no meu clube, não foi só coincidência, foi?", os atores principais encenavam uma peça de teatro. E mais pra frente, eles se beijaram.
Eu estava na oitava série, 14 anos, vivendo minha paixonite. Eu andava saltitando pelos lugares, passava a mão pelas grades e paredes quando caminhava na rua, mordia o lábio quando ouvia falar dele, passava as noites imaginando loucuras e situações nas quais pudessêmos  passar juntos. Eu estava apaixonada. Apaixonada de verdade. Aquele apaixonada do tipo "é com esse que me imagino de vestido branco, subindo um altar." O garoto, ele era o gostosão, sim bem clichê mesmo, eu queria ser diferente pra ele. Queria ser a garota. Mas eu não era tão bonita quanto as demais. E eu precisei sofrer um pouquinho para conseguir tê-lo.
Sabe aquela frase que diz "As coisas vão acontecer quando tiverem que acontecer."? Então, tenha fé nela. Quando as coisas acontecem no seu tempo, elas fluem. Elas são melhores. Para quê ficar apressando as coisas se elas são bem mais bonitas quando acontecem no tempo certo? Ele pediu para ficar comigo nas férias de julho, ficamos duas semanas juntos. Nós tinhamos um ponto de encontro, claro. Mas toda vez que estava com ele e fechava os olhos, parecia outro lugar. Pelas sensações e coisas que eu não seria capaz de encontrar palavras para descrever. Ele me fazia sentir emoções novas. Borboletas no estômago.
Uma vez, combinamos um encontro às nove da noite.  Estava sendo um dia e tanto. Meu Deus, era um dia horrível. Nem o céu sorria, mas quando ele me chamou, eu pouco me importei em pegar um casaco e andar até o lugar. Eu ignorei as trovoadas no céu, a garoa fininha que de tempo em tempo acertava meu pé. Eu sentei lá e o esperei. Até que ele apareceu. Ele estava tão lindo. Uma calça jeans desbotada, blusa de frio larga, topete despenteado. Ele sorriu fraco e sentou do meu lado. "Acho que vai chover" eu disse pra ele puxando um assunto. "Vai" ele respondeu apenas, ainda sem me olhar. Ficamos em silêncio um tempo até que eu me aproximei mais dele e ele me puxou para um abraço. "Aconteceu alguma coisa?" eu quis saber. "Amanhã acaba as férias e preciso te dizer que não quero mais isso aqui" ele falou baixinho. Fiquei com medo de ter entendido certo. "Não entendi" falei baixo também. Coraçamão já havia acelerado. "Não quero mais continuar com você." Saí do abraço e me coloquei em pé. "Por quê?" perguntei entrando em desespero, tinha sido a minha melhor férias. "Porque não. Mas quero que hoje seja inesquecível.", mal sabia ele que tudo havia sido inesquecível. Eu não choraria na frente dele. Claro que não. Então respirei fundo e olhei para cima obrigando as lágrimas a voltarem para o canal. Ele me olhou e deu aquele sorriso covarde de canto de boca e levantou para me abraçar. Senti uma gota no meu rosto e um palavrão se formou na minha cabeça, mas não eram lágrimas. Graças a Deus que não. Era a chuva que estava apertando. O céu chorava comigo. Ele se afastou, mas não muito, com o dedão alisava meu rosto enquanto sua outra mão estava na minha cintura. Ele me puxou para si e me beijou. Um beijo terno. Um beijo apaixonante. Lento. Real. Senti sua língua me invadindo. Ele estava me beijando bem demais para um último beijo. A chuva caía torridamente agora. Eu já começava a ficar muito molhada, mas ele não parecia se importar, pois não interrompeu o beijo. Ele continuou por longos minutos e terminou com selinhos e sorrisos. Meu Deus! Por que ele estava fazendo isso? "Vamos? Senão vamos acabar pegando um resfriado." ele falou. Dei o melhor sorriso que consegui e disse: vou sozinha. E virei as costas pensando que não é só porque era bom que seria para sempre. Dias depois minha asma atacou, eu sabia que era consequência daquela chuva, mas apesar da dor e do buraco em meu peito, eu não me arrependia daquelas duas maravilhosas semanas.
Para muitos, a chuva serve para molhar a terra, para regar a plantação, para manter o solo fértil, para amenizar o ar seco. Para outros, a chuva é aguardada quando se tem ao lado o amor que se quer pra vida toda. Pois assim, quando as primeiras gotas tocarem em sua pele, ela sabe que será abraçada por ele e quem sabe, tomarão um banho na chuva e se beijarão confessando seu amor. Para mim foi exatamemte assim. Não com todo esse calor e amor descrito aí em cima, mas apaixonante de igual modo.

@cristcamilla