7 de agosto de 2015

#

A vidarada do ano



Era apenas mais um dia qualquer. Mais um final de final de semana qualquer com as pessoas de sempre. Com um única diferença dos demais, era o ultimo do ano! Geralmente eu ficaria animada - na verdade muito animada - com essa data. Afinal, vencer todos os altos e baixos que a vida pode nos oferecer é uma vitória e tanto, não é mesmo?!
Esse ano fora tão monótono quanto os anteriores. Já era o esperado.
A vida de qualquer garota de 16 anos é animada, empolgante e até mesmo um pouco radical, mas a minha não. Preferia ficar em casa lendo um bom livro ou assistindo uma série qualquer do que sair e curtir com os amigos, cujo tenho apenas alguns que posso contar até mesmo com os dedos da mão. Entretanto, saiba que eles são os melhores amigos que alguém poderia querer.
- Megan, já está pronta, querida? – minha mãe perguntou da porta do quarto.
Através do reflexo do espelho, pude vê-la. Ela estava encantadora com um vestido de festa branco, seu cabelo castanho estava semi-preso com alguns cachos nas pontas e seus pés estavam calçados por um salto de no mínimo 18 cm. Nunca que eu usaria uma coisa dessas! Éramos tão diferentes uma da outra, em exceção o cabelo castanho. Isso eu puxara dela.
- Ah, querida, tênis all star na festa de final do ano?! – perguntou incrédula.
Arqueei as sobrancelhas em sua direção. Ela me conhecia muito bem para saber que não usaria salto, nunca.
-Era isso ou aquele chinelo amarelo neon super elegante Havaianas. O que acha? – brinquei.
-All star está ótimo, filha! – falou depressa. – Mas deixe ao menos eu dar um trato nesse cabelo.
Ela se aproximou e soltou o mesmo que estava preso em um rabo de cavalo. Não pude dizer não à ela, afinal, ela merecia um agrado.
Observei minha imagem no espelho enquanto ela fazia leves cachos em mim com a ajuda dobabyliss.
Até que eu não estava mal. Usava um shorts jeans, uma blusa xadrez ¾ preta e vermelha e, claro, uma blusinha branca por baixo para completar o look.  
-Prontinho! – fui tirada dos meus pensamentos pela voz da minha mãe revelando que já havia finalizado o penteado.
....

Dessa vez comemoraríamos a virada do ano na casa de um primo da minha mãe ou algo assim. Não o conhecia muito bem, mas sabia que ele tinha um filho um pouco mais velho que eu e que já fora casado por pelo menos 3 vezes.
Não estava nem um pouco empolgada. Muito pelo contrário, queria voltar logo para casa e assistir novamente a primeira temporada da série Friends, que era a minha favorita no momento.
Chegamos na casa do tal primo, que por sinal era muito grande e sofisticada. Só pela entrada percebe-se o quão rico ele era. Parecia até mesmo a casa de algum astro de Hollywood.

Fomos recebidos por um senhor calvo, um pouco acima do peso, muito elegante e que tinha por volta dos 50 anos, logo supus ser o tal primo da minha mãe.
-Olá, Roberto! Quanto tempo, não é mesmo? – minha mãe falou em cumprimento.
- Boa noite, Rosana. Nem me fale, esqueceu do seu primo aqui? – riu. – Boa noite, Luiz. – se dirigiu ao meu pai que estava do meu lado.
- Ah, essa aqui é a... – minha mãe começou a me apresentar, mas foi interrompida por Roberto.
-Megan?! A pequena Megan? Olhe só como você cresceu! – disse me abraçando. Nem preciso dizer o quão sem graça fiquei.

-Oi... – falei simplesmente.

-Vamos entrar. O pessoal já está nos esperando lá dentro. – convidou assim que me soltou.

O seguimos para dentro até onde parecia ser a sala que estava repleta de pessoas, algumas conhecidas e outras não. Um pouco mais atrás pude notar que havia uma grande área de lazer com direito à piscina e tudo mais, que assim como a sala, estava com um grande número de pessoas.

Era possível ouvir levemente o som de alguma música que tocava lá fora, todavia, não poderia identificar qual, já que o pessoal conversava muito alto.

Fiquei um bom tempo com meus pais, conheci alguns familiares que desconhecia a existência e aguentei as piadinhas sem graça dos tios. Eu era uma guerreira!

Um pouco antes da meia-noite, caminhei sozinha até a entrada da casa. Precisava de um pouco de ar e não conseguiria lá dentro.
Sem família, pessoas ou qualquer outro movimento. Enfim, livre!
Soltei o ar quando me encostei na grande arvore que havia no jardim em frente.
- Ei, aqui é meu esconderijo! – ouvi um resmungo vindo do meu lado.
-Ah... me desculpe! Não sabia que havia alguém aqui... – falei sem graça.

Era um garoto que aparentava ter a minha idade. Seu cabelo ruivo se destacava em sua cabeça e seus olhos verdes foram de encontro aos meus. Senti algo diferente, não saberia dizer o que, mas depois pensaria nisso. Agora quero saber quem é esse desconhecido.

-A intenção era essa. Que ninguém me encontrasse aqui. – deu um sorriso de lado.

- Foi mal, acho que queremos a mesma coisa. Odeio essas festas! – confessei.
- Ora, ora... quem diria que uma garota tão linda não curte festas, hein?
Ele me acha linda? É, acho que foi o que ele disse.
Preciso dizer que já estava toda derretida por aquele desconhecido?

- Afinal, quem é você? – ousei em perguntar.
- Sou John, filho do Roberto. E você?

Então esse era o filho do primo da minha mãe. Uau! Ele não se parece nada com o pai. Provavelmente tenha puxado a mãe.

- Me chamo Megan e pelo que parece somos primos de 2° grau. – sorri e ele retribuiu.
.....

Conversamos por alguns minutos e vimos que tínhamos mais em comum que imaginávamos. Assim como eu, ele gostava de assistir séries, ler livros sobre distopias e, acima de tudo, odiava ir em festas.
Quando percebi o pessoal já estava na contagem regressiva para a virada de ano.

5...4...3...2...1... YEAH! – escutei o coro que vinha lá de dentro.

Logo começaram as queimas de fogos. Olhei para cima e John fez o mesmo. Estava encantada com aquele show de luzes.
Quando abaixei o olhar, dei de cara com o olhar do garoto não mais desconhecido, que em apenas alguns minutos causou em mim efeitos nunca sentidos. A atração entre nós era inevitável.

Ele se aproximou ainda mais de mim e sem meu consentimento uniu nossos labios, me abraçando contra o seu corpo. Aprofundou o beijo e eu deixei prontamente. Não era a primeira vez que beijara, mas era como se tudo fosse novo para mim.
Antes que eu quisesse, separamos os nossos lábios. Contudo, continuávamos com os corpos colados. Por alguns segundo tudo que ouvíamos era o som das nossas respirações ofegantes e de alguns fogos que ainda se acendiam no céu.

-Uau! – soltei.
- Megan, já ouvi muito falar sobre amor a primeira vista, confesso que para mim aquilo não passa de uma grande baboseira. Mas eu acredito em conexão entre duas pessoas e aqui, com você, posso sentir isso. Sei que você também pode, não negue! – assenti. – Estava pensando, pode ser que não dê certo ou pode ser que dê, mas eu gostaria de ao menos tentar... E você? Gostaria de tentar algo comigo? – perguntou olhando em meus olhos.

Sem pensar duas vezes selei nossos lábios, nos deixando completamente ofegantes novamente.
- Isso responde sua pergunta? – brinquei.
- Quer saber, acho que preciso de um pouco mais para sacar sua resposta. – entrou na brincadeira.
Assim voltamos a nos beijar. E espero que continue assim por um bom tempo.
Alguma coisa me dizia que minha vida estava prestes à mudar completamente...
...
A vida é assim, cheia de surpresas e mudanças. Uma hora estamos sozinhos e em outro encontramos alguém para nos fazer feliz. Pode ser um amigo ou até mesmo o amor da sua vida, mas saiba que nem sempre é da forma ou no momento que queremos. Tudo tem seu tempo. ♥

@cristcamilla