5 de outubro de 2014

#

Gelo quente


 - Você vai se atrasar –a voz dela ressoou nos meus ouvidos enquanto a cortina se abria.
 - Que horas são?
- Oito e meia.
- Vai pra escola hoje? – perguntei já me sentando na cama.
 - Vou, mais tarde, tenho algumas coisas para fazer- ela disse calma, minhas roupas já estavam passadas sobre a cama e ela agora tratava de recolher alguns papeis do chão.
– Quem é? – ela mostrou um desenho que estava no chão, uma moça bonita de cabelos azuis e olhos vermelhos.
 - É você, olhe bem – ela olhou e fez uma cara feia, é claro que estranhou, seus cabelos não eram azuis nem seus olhos eram vermelhos.
- Não sou assim – ela se virou para o espelho antes de me encarar novamente.
 - É como eu te vejo – chamei ela pra perto e ela se sentou na beirada da cama ao meu lado – seu cabelo é azul para representar sua parte fria que é como você é por fora com a maioria das pessoas e situações, é o seu gelo – toquei seus cabelos, eram loiros e cacheados, um nó enroscou nos meus dedos e ela corou enquanto eu tirava – a pele, a boca, as bochechas – continuei – e tudo mais está em branco, essa é você neutra, essa é você com suas amigas, seus pais, as pessoas a sua volta, é você sorrindo de um jeito falso e se mostrado amigável – ela ouviu e franziu as sobrancelhas, não gostou de ser desmascarada – os olhos... vermelhos, quentes, zangados, tristes, tão fofos, tão cheios de uma vida morta – acariciei seu rosto e ela fechou os olhos – quente, fria, morna... linda – ela se deitou sobre mim com os olhos ainda fechados.
- Você vai se atrasar – ela afirmou.



Texto por: Pimpolha-chan

@cristcamilla